Microplásticos nos Oceanos – Palestra com Filipa Bessa

Na próxima quarta-feira, 20 de fevereiro, vamos receber, no auditório da Escola Secundária Leal da Câmara, a investigadora Filipa Bessa, para uma palestra sobre os Microplásticos nos Oceanos. Trata-se de mais uma atividade dos projetos Ciência, Biblioteca e Cidadania, Ler+ Mar e Escola Azul.

cartazfilipabessa

 

FilipaB

Bióloga, Mestre em Ecologia Marinha e Doutorada em Biociências pela Universidade de  Coimbra, Filipa Bessa é atualmente é investigadora no MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente da Universidade de Coimbra –  e a sua investigação é dirigida à avaliação da poluição por microplásticos nos ambientes marinhos e costeiros e as suas interações com espécies aquáticas. Tem participado em vários projetos nacionais e internacionais sobre esta problemática, e atualmente é membro do comité de cientistas responsáveis pelo acompanhamento do estado da arte do grupo “Micro e nano plásticos” que apoia a Comissão Europeia.

Em paralelo, tem desenvolvido iniciativas de comunicação de ciência para o público em geral (workshops, palestras e exposições temáticas), e participa em projetos e ações de sensibilização ambiental direcionada para a temática do lixo marinho.

Partindo de um gosto pessoal pela fotografia, tem produzido exposições pop-up de composições de imagens macro que vai captando no laboratório, que transmitam conceitos científicos e aproximem o público da Ciência.

Foi a vencedora do concurso de fotografia macro, organizado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, no âmbito da campanha Clean Seas, com a fotografia intitulada “SeaPlasticSalt”.

Anúncios

Mesa Redonda: O Mar na Ciência e na Literatura

Image1

Na próxima quarta-feira, 13 de fevereiro, decorre na escola a mesa redonda «O Mar na Ciência e na Literatura». A atividade acontece no âmbito dos projetos Biblioteca, Ciência e Cidadania (apoiado pela Câmara Municipal de Sintra, no âmbito do 12.º Concurso de Projetos de Qualidade e Excelência do Concelho de Sintra), Ler+ Mar e Escola Azul.

A mesa redonda contará com a presença da escritora Deana Barroqueiro e dos cientistas Ana Rita Lopes e Tiago Grilo.

cf1d6-deanaDeana Barroqueiro

Deana Barroqueiro é uma das mais destacadas escritoras de romance histórico português, do século XXI, com uma vasta obra, predominantemente de personagens e acontecimentos do Renascimento e Descobrimentos Portugueses, período que estuda há mais de trinta anos. O mar é por isso uma presença constante nas suas obras, onde se destacam O Espião de D. João II, sobre Pêro da Covilhã, O Navegador da Passagem, sobre Bartolomeu Dias, e O Corsário dos Sete Mares, sobre Fernão Mendes Pinto, obra que foi lida este ano letivo pelos alunos participantes no Concurso de Leitura.

0ee70-anaritaAna Rita Lopes

Ana Rita Lopes concluiu recentemente o doutoramento em Ciências do Mar (2018) no MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente da Universidade de Lisboa, sob a orientação de Rui Rosa (MARE) e Mário Diniz (FCT-UNL). O seu doutoramento visava compreender como os organismos marinhos poderão lidar com cenários futuros de aquecimento e acidificação dos oceanos, bem como a combinação com contaminantes.

cf3fa-tiagogriloTiago Grilo

Tiago Grilo é investigador pós-doutorado do MARE, que visa compreender os impactos das alterações climáticas (ex. aquecimento e a acidificação dos oceanos), e mobilização de poluentes ambientais nos ecossistemas e biodiversidade marinhas. É o investigador coordenador do projeto CLIMATOXEEL, cujo objectivo visa investigar a resiliência da enguia de vidro a fatores climáticos e humanos. Exerce colaboração em vários projetos de educação ambiental.

Imagens: O cheiro dos livros e MARE

Água engarrafada ou água da torneira?

O tema da água é fulcral ou não fosse essencial à vida na Terra. A sustentabilidade associada ao abastecimento público, quer através da canalização, quer pelo engarrafamento e distribuição comercial, é uma questão que merece atenção, sobretudo, atendendo a que nos últimos anos tem vindo a crescer o consumo de água engarrafada, muito pela ideia que se tem generalizado de que é melhor para a saúde por não ser sujeita a tratamento químico. No entanto, a quantidade incomensurável de resíduos provocados pela acumulação de garrafas e tampas obriga a repensar, a olhar o problema e a tomar uma decisão devidamente fundamentada. Este foi o tema proposto à preparação de uma sessão em role-playing, com diferentes papéis da sociedade, numa turma de alunos de 11º ano de ciências e tecnologias, no contexto da disciplina de Física e Química A.

Abordaram-se argumentos económicos, científicos, sociais, éticos e apresentaram-se diferentes soluções para os diferentes problemas abordados.

Acima de tudo, a discussão permitiu esgrimir vários argumentos que, para a grande parte da plateia, eram novos, servindo para clarificar um problema da sociedade. Deste modo, contribuiu-se para uma tomada de decisão fundamentada, ao mesmo tempo que se sensibilizou a comunidade para um grave problema ambiental.

A avaliação feita antes e depois da sessão mostrou um impacte deveras positivo na opção pela água da torneira, sobretudo pelo grave problema ambiental causado pela acumulação de plástico nos oceanos.

Acredita-se que estas “pequenas gotas” são importantes para construir o “oceano” da sustentabilidade do planeta.

Arlete Cruz

Doação de órgãos – sim ou não?

“Doação de órgãos – sim ou não?” é um tema controverso que, para ser discutido em profundidade ao ponto de se poder ter acesso a toda a informação que pode suportar uma tomada de decisão, tem de ser tido em conta argumentos de natureza muito diversa. A discussão foi promovida pela turma C1 do 12.º ano, no dia 15 de março de 2018, no contexto da disciplina de Biologia e contou com a presença de elementos da autarquia e do ensino superior. Em role-playing, assumindo papéis de médicos, de advogados, de crentes em diversas confissões religiosas, de psicólogos, de familiares de vítimas…, foi possível abordar a doação de órgãos de diferentes pontos de vista e obter o esclarecimento necessário à tomada de decisão fundamentada.

O debate foi animado ao ponto da plateia quase esquecer que no painel de discussão estavam apenas alunos (bem preparados, é certo!), mas que não eram efectivamente médicos, advogados, psicólogos…

Os alunos animadores da discussão saíram da sessão com a experiência de uma ação de cidadania junto da comunidade escolar e aperceberam-se de que é neste tipo de acções que esta competência se desenvolve.

Parabéns a todos os envolvidos

Arlete Cruz

Doação de órgãos – Conferência

Image3

Doar órgãos PORQUÊ… e para QUÊ? foi o tema da palestra realizada na ESLC no dia 7 de fevereiro pela Dra. Ana Paula Fernandes e integrada na disciplina de Biologia de 12º ano de escolaridade.

Os argumentos científicos, legais e éticos, a favor da doação de órgãos e tecidos foram excelentemente apresentados pela oradora, e constituíram uma mais-valia para a formação dos nossos alunos. Como criar órgãos e tecidos em laboratório ainda não é possível. Terá de ser a sociedade civil a decidir o que quer fazer dos seus órgãos quando partir. Só cidadãos informados podem tomar decisões fundamentadas.

Os alunos presentes foram unânimes na importância que atribuíram à atividade que consideraram muito pertinente e esclarecedora.

A doação de órgãos é um assunto urgente e de extrema importância. Ao assumirmos este compromisso estamos a doar não só órgãos mas também VIDAS.

O que é importante deve ser dito em vida! Diga ao mundo que é um dador.

Celeste Santos

Fixismo versus Evolucionismo

image1

Uma boa argumentação é aquela em que o orador possui uma ampla compreensão dos fundamentos da tese por si defendida, apresentando-os com rigor e clareza e mostrando disponibilidade e, mesmo, uma certa satisfação no contraditório, pois só ele permite pôr à prova os próprios argumentos. Ainda que dessa disputa intelectual não resulte consenso entre as partes envolvidas, uma depuração da verdade por elas sustentada é inevitável e, esse, é um momento de progresso científico e de puro gozo intelectual!

No dia 1 de fevereiro de 2017, no laboratório 1 de Biologia, entre as 12:30 e as 13:30 horas, decorreu um debate, não sobre a velha querela medieval Fé ou Razão, mas sobre o não menos controverso tema, Fixismo versus Evolucionismo. E, neste, uma boa argumentação, exclusivamente conduzida pelos alunos da turma C3 do 11.º ano, teve lugar para deleite do seu professor de Biologia e Geologia, João Manique e dos restantes professores convidados.